Projetos Musicais



O Ecarta Musical é um projeto da Fundação Ecarta que visa valorizar a música e os músicos do Rio Grande do Sul, assim como facilitar o acesso da população a este bem cultural.



Confira os shows realizados
em 2012:
NOTA PÚBLICA
Repúdio à sanção
do Governo para
extinção das
fundações estaduais

Nome: 
E-mail: 
 
 

 Em Porto Alegre
 
Sede da Fundação Ecarta (Av. João Pessoa, 943 - Farroupilha)


Dezembro/2012

15/12 | 18h
O pianista Antônio Benito Crivellaro apresenta
Uma homenagem ao maestro Angelo Crivellaro

Foto: Divulgao
Foto: Divulgao | O pianista Antnio Benito

O Show resgata a memória de uma das maiores personalidades da música sacra e erudita de Porto Alegre, o Maestro Angelo Crivellaro. O músico Benito Crivellaro vem pesquisando as obras de seu avô tanto no âmbito artístico, quanto cultural. As obras compostas para o acordeon estão sendo arranjadas para piano. No repertório, dez das diversas composições do maestro: Giocando Com L’onde, Bólide, Stringendoti Al Mio Cuore, Um sonho no Nepal, Dal Caucaso Al Turkestan, Di Seram, Mar Giallo, Tormento – fantasia, Uma Adeus! Fantasia, Brasil – Itália – rapsódia; e Marcia In Memorian, composição de Antônio Benito Crivellaro.
 
ANGELO CRIVELLARO (1891-1957) – Nasceu na cidade de Tombolo, ao norte da Itália. Chegou a Porto Alegre em 1927, quando iniciou suas atividades na Catedral Metropolitana, a qual perdurou por cerca de 30 anos. Nesta mesma época, organizava a parte artística das tradicionais festas religiosas e populares de Porto Alegre: Madre de Deus (padroeira de Porto Alegre) e Nossa Senhora de Navegantes. Crivellaro foi um compositor reconhecido na Itália, participando de vários concursos de música nos quais obteve premiações como bronze no concurso de Della Ditta em Perugia, por ter escrito uma missa em homenagem a S. S. Pio X.
Em 1938, foi fundador do Liceu Musical Palestrina, onde tinha várias escolas de músicas filiadas pelo interior do Rio Grande do Sul, empregando seus programas de aprendizado e métodos. A sua didática foi revolucionária para o ensino do acordeon.
Em 1972 o Liceu foi reconhecido como escola de ensino superior pelo governo federal funcionado assim até 1989. Obteve três decretos de utilidade pública, formando mais de mil professores em Porto Alegre e mais de três mil no Estado. As atividades e funcionamento do Liceu Musical Palestrina, tiveram seu término no ano de 2000, tendo prestado um grande serviço cultural para o cenário da musica brasileira e internacional. No ano de 1972, por requerimento do vereador Glênio Peres, a Câmara Municipal prestou uma homenagem à memória do maestro, destinando seu nome a um logradouro público no bairro Jardim do Salso.

ANTÔNIO BENITO CRIVELLARO Iniciou seus estudos musicais aos 7 anos de idade tendo contato com repertórios eruditos e populares. Em 1993 ingressou no Conservatório Estatal Antonio Vivaldi, em Alessandria na Itália, concluindo o curso de Música em 1998. Neste período, realizou vários recitais em cidades daquele país, e participou como pianista titular da Orquestra de Arcos e Percussão do Conservatório.

De volta ao Rio Grande do Sul em 1999, mantém suas atividades musicais no âmbito erudito e popular. Em 2004 tornou-se bacharel em teclas pela Ufrgs. Diretor artístico da Crivellaro Escola de Música, onde leciona piano e teclado, e ministra cursos em diferentes áreas da música. Tem atividades também como músico de estúdio, arranjador e compositor. Atualmente compõe trilhas para documentários da Estrada Filmes e Catatonia Filmes.

Antnio Benito


01/12 | 18h
LOTE 3
Duo de improvisao musical formado por Carina Levitan e Graham MacKeachan far um show virtual, seguido de outro show presencial com o trio Carina Levitan, Lucas Kinoshita e Luiz Bruno, ambos com projeo de imagens.

Foto: Caco Vaccaro
Foto: Caco Vaccaro | LOTE 3
O primeiro show será virtual. Carina estará no palco do Ecarta Musical enquanto Graham estará em Londres, na Hundred Years Gallery, com seu contrabaixo e apetrechos sonoros. A imagem de Graham será projetada em uma parede da sala do Ecarta musical. O som e a imagem serão transmitidos em ambas às cidades, eles se escutarão e se verão ao mesmo tempo. O interessante nesse projeto é a ausência física de um dos integrantes, que causa o deslocamento dos ouvintes para um outro espaço, desconhecido e inimaginável. O show terá uma terceira participante. Luciana Bass, argentina residente em Berlin, participará da improvisação transmitida por Skype. Luciana tocará guitarra com ferramentas de construção e pedais de efeito do quarto de sua casa e sua imagem será vista, simultaneamente, em Londres e em Porto Alegre. Projeções criadas por Julio Costa serão manipuladas e distorcidas ao vivo. O segundo show será presencial. Os músicos Lucas Kinoshita e Luiz Bruno formam um trio com Carina Levitan. Luiz Bruno toca guitarra com pedais de efeitos e Lucas Kinoshita, percussão e aparelhos eletrônicos. O trio apresentará partituras gráficas. A apresentação conta com imagens manipuladas por Renata Nascimento e Natalia Utz.

LOTE 3 Inicia em Londres em setembro de 2010, quando Carina Levitan, msica e artista plstica gacha, conhece o contrabaixista londrino Graham MacKeachan. O duo faz performances utilizando esculturas sonoras, aparelhos eletrnicos modificados, motores, sucatas e instrumentos de corda e percusso. Apresenta-se pela primeira vez na exposio Best of Ten, na qual Carina Levitan convidada a expor seu projeto de graduao A bike, a suitcase and an umbrella, eleito entre os melhores da London College of Communication de 2010. Lote3 realiza algumas apresentaes em Londres e Bristol. Com a volta de Carina ao Brasil, em 2011, o projeto ganha um novo formato. Carina, em Porto Alegre, e Graham, em Londres, fazem suas apresentaes por Skype, com som e imagem transmitidos ao vivo em ambas as cidades. Este novo formato apresentado na abertura da Casa M, espao cultural da 8 Bienal do Mercosul, em 2011. Outras apresentaes pblicas: Rio de Janeiro, no espao cultural Plano B; Porto Alegre, na Casinha de Ipanema e Londres, na Hundred Years Gallery.

CARINA LEVITAN Pesquisa a construo de instrumentos musicais desde 2003, quando desenvolveu o projeto de um parque de msica para crianas utilizando materiais do ferro-velho. O parque foi construdo no Ipec (Instituto de Permacultura e Ecovilas do Cerrado), localizado em Pirenpolis, Gois. Carina fortemente influenciada por Hermeto Pascoal. Foi em 2000, durante o Festival de Inverno de Diamantina, que assistiu a uma palestra onde o msico apresentou o conceito de msica livre. Esta liberdade sonora, encarada por Hermeto, foi a principal motivao para a Carina seguir na carreira de msica. Desde ento, Carina busca sonoridades distintas para suas gravaes e projetos, constri instrumentos musicais a partir de materiais do cotidiano e de sucata eletrnica, resultando em objetos que funcionam tambm como esculturas. No final de 2007, Carina viaja para Londres e em 2010 gradua-se em Sound Arts & Design pela London College of Communication, onde desenvolve sua habilidade pela improvisação e arranjo musical. Carina tem seu trabalho exposto na Photographers' Gallery, Tate Modern, Tate Britain, Barbican, entre outros.

GRAHAM MACKEACHAN
– Contrabaixista, reside em Londres. Estuda 3Dimensional Design na Art School e Improvisation & Electronic Music com Phillip Wachsmann na City Literary Institute, em Londres. É membro da Bristol Improvisers Collective (1983-1985), da London Musicians Collective (1985-2000) e faz parte dos grupos de improvisação livre Ghosts Before Breakfast, APE e Jerico Orchestra. Cria a trilha sonora para Five Soldiers de John Claridge e para Caliban Tower de Rita Says e Graham Mackeachan. Tem gravações com os grupos APE e Wizard Trio com trabalhos incluídos na British Library Sound Archive de Londres. Desde os anos 70, Graham se apresenta com os mais representativos nomes da música livre da Inglaterra, fomentando a cena local underground de música. Entre suas parcerias estão Adam Bohman and Grassy Noel.

www.cargocollective.com/lote3
www.carinalevitan.com
www.cargocollective.com/deep-underground



Lote 3


Novembro/2012


24/11 | 18h
Carlos Badia apresenta Solos & Canes

Foto: Igor Sperotto
Acompanhado por Gustavo Viegas (baixo e violões), Carlos Badia apresentará,além de suas composições, versões de músicas conhecidas como A Lua Girou, de Milton Nascimento; e Bachianas no. 5, de Villa-Lobos. Compositor, violonista, arranjador e produtor musical, Carlos Badia retomou em 2011 o seu trabalho autoral em apresentações onde mostra suas composições instrumentais e canções de música brasileira. Recentemente Badia deixou o grupo Delicatessen, que produziu com Beto Callage e que teve em sua trajetória três discos de enorme sucesso em todo o mundo, e várias premiações importantes.

CARLOS BADIA – Também criador de trilhas para cinema, teatro, dança e desenhos animados, suas composições instrumentais transitam entre os choros e composições para violão, bem como músicas que podem ser conferidas em seu grupo instrumental Experimentais ( www.experimentais.com.br ).  Badia traz o DNA da música brasileira em suas canções, com letras próprias e parcerias com outros poetas. Mesmo envolvido em vários projetos, o músico gaúcho mantém uma agenda de seu trabalho solo e autoral, em apresentações acústicas com seus parceiros musicais Fernando Sessé (percussão) e Gustavo Viegas (baixo e violão). Seu primeiro livro de poesias Sílabas Ciladas será lançado no início de 2013. Recebeu vários prêmios, dentre eles O Açorianos: Melhor Instrumentista, Melhor produtor musical, 2010; Melhor Disco por "My Baby Just Cares For Me" (Delicatessen) 2010; e Melhor Produtor por GoddNight Kiss (Delicatessen) 2012.

Carlos Badia apresenta Solos & Canes

10/11 | 18h
The Tape Disaster

The Tape Disaster| Foto: Mauricio ThomsenO som do quarteto portoalegrense tem como referncia o gnero instrumental e se caracteriza pelas influncias de cada integrante: Thiv Fres de Souza, Andres Arajo, Bruno Severo, Rubens Formiga. msica universal, para ouvir vagando pela cidade, para degustar no trnsito, para acompanhar-nos nos dias chuvosos e ensolarados. Apenas cuide-se para no tropear ou bater seu carro, expressa o quarteto. No repertrio, canes autorais, como Para onde apontam seus mveis, Cartas a Tho, A voz do fogo, Adeus Deus, Realidade aumentada, A exceo de Todos Ns.

THIVÁ FRÓES DE SOUZA – Começou a tocar muito cedo, inicialmente focado na música de rock alternativa, posteriormente no estudo mais preciso de acordes da música atualmente conhecida como Shaogaze. Com influências da música desenvolvida nos anos 50, 60 e 70, soma as novas influências de música experimental que surgiu nos últimos dez anos.

ANDRES ARAÚJO – Começou desde jovem a se interessar por música, desde Rock dos anos 60 a música negra norte americana dos anos 80. Aos poucos foi se encontrando nos acordes de violão até chegar ao baixo. Depois de algum tempo tocando em uma banda de Punk Rock conheceu a música instrumental/experimental sem fronteiras, por onde sigo trilhando esse caminho até hoje.

RUBENS FORMIGA – Estudo piano. Tem forte influência inicial da música desenvolvida em Nova York nos anos 80. Passou para os instrumentos percussivos e hoje agrega as influências para o desenvolvimento de som alternativo.

BRUNO SEVERO – Desde muito cedo estudou violão e posteriormente guitarra, tem influências na música de Metal inglesa e norte americano. Hoje traduz essas influências juntando com novos estilos de bandas alternativas dos últimos anos.


The Tape Disaster

Outubro/2012


20/10 | 18h
Rhosammaria canta autores e compositores gachos

Rhosammaria Foto:Eduardo KosenkovA cantora gaúcha Rhosammaria, acompanhada pelo violão de Sil Farnei, traz um repertório nativista urbano, prestigiando autores e compositores gaúchos.  No repertório, Canto de Morte de Gaudêncio Sete Luas, A Triste Milonga de Leontina Das Dores à Espera de Seu Homem, Leontina Das Dores à Espera de Seu Filho e Cordas de Espinho (Luiz Coronel/ Marco Aurélio Vasconcelos); Chinita (Ubirajara Raffo Constant/ Ênio Rodrigues); Um Mate por Ti (Aparício Silva Rillo/ Beto Bollo/ Vinícius Brum); Quitanda (Colmar Duarte/ Marco Aurélio Vasconcelos); Milongamento, Chamamecero (Mauro Moraes); Vó Picucha (Rui Pedro Schmitz); Versejando em Campo Aberto e Primeiro Amor (Luiz Coronel/ Airton Pimentel).

RHOSAMMARIA – Nascida em São Luiz Gonzaga, região missioneira, fronteira com Argentina, berço de renomados autores e músicos de nosso cancioneiro. Esteve ao lado de renomados artistas uruguaios como Manolo Guardia, Federíco García Vigil, Alfredo Zitarrosa. Participou de Festivais como a Califórnia da Canção Nativa do Rio Grande do Sul, Vindima da Canção de Flores da Cunha entre outros.

SILFARNEI – Silfarnei da Silva Alves, músico profissional de Porto Alegre desde 1983. Violonista, compositor, acompanhando cantores e músicos como Jair Rodrigues, Jamelão, e Neguinho da Beija-Flor. Fundador do Grupo de Samba Flor de Ébano; componente de harmonia e compositor de Escolas de Samba como Praiana e Imperadores do Samba; atuante em diversos gêneros musicais como: samba, MPB e nativismo.

Rhosammaria

6/10 | 18h
Nicola Spolidoro Quarteto

Nicola Spolidoro QuartetoGrupo formado por Rafael Marques (bateria), Carlos Delia (contrabaixo), Matheus Klber (teclado e acordeom) e Nicola Spolidoro (violo e guitarra). O repertrio do show passa principalmente por msicas de Nicola Spolidoro, alm de alguns temas de outros compositores, sempre em releituras com a identidade do quarteto. Msica livre e sem rtulos, para que cada ouvinte tenha sua interpretao, esse o objetivo do Nicola Spolidoro Quarteto. Dentre elas, Estrada de cho batido, Um novo horizonte, Misturando, 12 segundos, Roda gigante e Bons encontros.
NICOLA SPOLIDORO Guitarrista, violonista, arranjador e professor de msica desde 1998. Foi agraciado com o Prmio Aorianos de Melhor Instrumentista de MPB de 2007. Tambm recebeu o Prmio Aorianos de Melhor CD de reggae, em 1999, com a banda Leo de Judah. Integra o Fruet e os Cozinheiros, trabalho que conquistou quatro premiaes no Aorianos de 2007. guitarrista do Ale Ravanello Blues Combo.
CARLOS DELIA Contrabaixista h 11 anos, integra o grupo instrumental Xquinas, do guitarrista Marcelo Corsetti, com quem gravou o disco Vomo, indicado ao Prmio Aorianos de Msica no ano de 2008. Atua tambm na rea da educao musical, como professor de Canto e de Contrabaixo eltrico na Escola de Msica Tio Zequinha, em Porto Alegre.
MATHEUS KLBER Pianista e acordeonista. Graduado em composio pela Ufrgs, iniciou sua trajetria musical aos 7 anos de idade, quando ingressou na Fundao de Artes de Montenegro. J atuou com diversos cones do cenrio musical, destacando-se Quinteto Persch, Arrigo Barnab, Adriana Defentti. Atualmente integra a banda Xquinas, ao lado dos msicos Marcelo Cosetti, Luke Faro, Carlos DElia e Denise Fontoura; e acompanha diversos cantores.
RAFAEL MARQUES Baterista h quatorze anos. Participou da formao da banda Caixa Preta, em 2004. Acompanhou artistas como Os Fagundes, Adriana Defentti e a Orquestra da Ulbra. Participou tambm da Banda instrumental Projeto Funkssima, que inclui gravao de CD e participao no projeto Gestao Cultural na Usina do Gasmetro, em 2005. Passou a temporada 2006/2007 lecionando no Instituto de Msica Fabiano Manhas em So Paulo.

Nicola Spolidoro


Setembro/2012

22/09 | 18h
Fabricio Fortes apresenta Todos os sentidos

Fabricio Fortes |  Foto: Hamilton Fialho O show nasce do primeiro disco de Fabrício Fortes (voz e violão) ainda em produção, Sentido Essencial, que será lançado acompanhado do livro Aforismos Desaforados, uma coletânea de frases curtas e reflexões que mesclam humor, poesia e crítica social. A mesma combinação é levada ao palco, com os aforismos sendo intercalados às canções de Fabrício, que buscam trazer um novo ar à MPB. No repertório, O milagre de Thiago de Mello, Um raio de sol, Bemol, O egoísta, Tus Sonetos, Kristine, A valsa da contestação, Baião pra dois e Molha as palavras, de Fabrício Fortes; e Erotismo onírico, de Rafael Sanzio e Fabrício Fortes; Não te abala, Moreno e Íntima, de Diego Muñoz e Fabrício Fortes. O show foi selecionado via edital Ecarta Musical 20012/2.

FABRÍCIO FORTES – Músico, cantor e compositor. Aos 20 anos passou a ter aulas de violão clássico com o maestro Airtom Amaral, que o incentivou também lecionar música, a fim de aprimorar e desenvolver seu estilo. Tocou na noite de Porto Alegre e em eventos culturais. Foi na MPB, com uma boa dose de Bossa Nova, que a musicalidade de Fabrício Fortes ganhou forma, em um estilo muito próprio de cantar, tocar e compor, abordando temas que transitam entre crônicas musicais, crítica social, reflexões, além do mais puro lirismo poético.

Fabricio Fortes



01/9 | 18h
Daniel FerreiraPedro Franco e Matheus Kleber apresentam Ida
Partindo de combinações harmoniosas das sonoridades de apenas quatro instrumentos, os jovens músicos Pedro Franco (bandolim e violão 7 cordas) e Matheus Kleber (piano e acordeon) apresentam no CD Ida – uma coletânea autoral que prima pela diversidade e pela autonomia criativa. O trabalho é um mosaico de suas personalidades artísticas, cujas peças desafiam parâmetros de classificação e buscam transcender as distinções entre a música popular e a erudita, e entre a composição tradicional e o experimentalismo criativo. O resultado é uma fusão de estilos e ritmos, como choro, jazz, valsa e milonga. O espetáculo Ida tem o mesmo título do CD da dupla, produzido de forma independente e gravado entre setembro e dezembro de 2009. O disco teve cinco indicações ao Prêmio Açorianos. Das oito faixas que compõem o disco, o duo assina sete.
No repertório, Tema de Vó e Ida, de Pedro Franco; Milonga Manca, Ao Clarão do Luar e Estrada Boa Vista, de Matheus Kleber; A Bailarina, de Pedro Franco e Matheus Kleber; e Com Ares de Paixão, de João Pernambuco e Marco Araújo.

MATHEUS KLEBER – Graduado em Composição pela UFRGS (2006). Além do duo com Pedro Franco, integra o grupo Xquinas, que recentemente lançou o DVD Xquinando na Travessa Azevedo 79. Já dividiu o palco com nomes importantes do cenário musical, entre eles Richard Serraria, Andrea Cavalheiro, Gelson Oliveira, Nelson Coelho de Castro, Neto e Ernesto Fagundes, Vanessa Longoni, Adriana Defentti, Caio Martinez, Geraldo Flach e Arrigo Barnabé. Atualmente, também é regente de três grupos da Fundarte, em Montenegro: o Conjunto Instrumental, o coro Cantarte e o grupo Cordas.

PEDRO FRANCO – Iniciou os seus estudos na Academia de Música Jorge Peres, depois foi aluno da escola da Orquestra Sinfônica de Porto Alegre (OSPA), e aprendeu choro com o professor Luiz Machado e violão e improvisação com Daniel Sá. Integrou grupos de choro e de samba, como Matriz do Samba e Feijoada Completa, com os quais realizou vários shows e gravou um CD e um DVD, respectivamente. Já dividiu o palco com artistas como Yamandu Costa, grupo Choro Rasgado, Danilo Brito, Alessandro Pennezzi e Déo Rian. Recentemente, gravou participações em CDs dos compositores Felipe Azevedo e Nelson Coelho de Castro, e no documentário Espia Só, sobre o compositor Octavio Dutra, lançado no Festival de Cinema de Gramado deste ano.



Pedro Franco e Matheus Kleber


AGOSTO/2012


18/08 | 18h
Retratos do Tempo, com a banda Jazzueira
Abertura: Alunos de piano e de flauta da Fundarte*

banda Jazzueira| Foto: Foto: BachO show é o álbum da memória musical da trajetória dos músicos da Jazzueira. São fragmentos de influências musicais dos componentes da banda, estampadas nas letras, harmonias e improvisos jazzísticos sobre a raiz do blues, comum a todos os integrantes da banda. Na estrada desde 2009, a banda Jazzueira apresenta repertório completamente autoral com composições em português. Fluindo no palco com espontaneidade lançam os elementos do improviso com saxofone e flauta transversal em sonoridade muito particular. Com uma apresentação contagiante, estes senhores músicos divertem a platéia celebrando a alegria de estar na estrada reforçando que nunca é tarde para sonhar e manifestar arte. Formada pelos músicos Uncle George (voz e guitarra), Nico Sebolt (flauta transversal e saxofone), Maurinho (contrabaixo) e Foguinho (bateria), a banda apresenta canções que contam histórias de amores, amizades, tristezas, parcerias boêmias e aventuras.

GEORGE ARRIENTI (Uncle George) - Compositor, vocalista e guitarrista. Como vocalista da Jazzueira destaca-se pelo timbre marcante e expressivo nas suas interpretações performáticas. Iniciou sua trajetória musical nos festivais estudantis da década de 70 que aconteciam no auditório Araujo Viana em Porto Alegre. É o compositor das canções da banda observando a importância de usar a língua portuguesa sobre a trilha do blues e jazz. Integrou a banda de blues BBlues.

MAURO SARMENTO – Iniciou-se na música em 1978 estudando flauta doce e violão popular. Em 1983 integrou a banda gospel Videira como contrabaixista. Nos anos 90 integrou o grupo folclórico Caburé executando repertório latino-americano e gaúcho. Atuou como arranjador e instrumentista no primeiro disco da banda Os The Dharma Lovers em 2005. Atuou como arranjador e instrumentista na banda BBlues. Desde 2009 entregou-se ao blues e o jazz da banda Jazzueira.

NICO SEBOLT – Co-fundador da banda instrumental Tocaia em parceria com Geraldo Fisher, Luis Ortiz e Claudio Nilsom. Integrou e gravou com grupos, como Unamerica e Café Nice. Acompanhou Adriana Marques, Arthur de Faria, Talo Pereira e Silvana Cruz. Integrou a banda Fussura Jazz Band nos anos 90. Atua como instrumentista, compositor e professor de flauta e sax na região metropolitana.Sua principal característica como músico da Jazzueira é a improvisação.

RENATO RANZOLIN – Carioca naturalizado gaúcho, iniciou sua carreira profissional em 1960, como baterista, compositor e arranjador do conjunto Claudio e os Gold Fingers. Tocou em grandes bandas de baile como, Apache, Musical Porto Alegre, Os Diamantes, Musical Pepe Show. Acompanhou Elis Regina no projeto Trem Azul, bem como turnês de Cauby Peixoto, Martinho da Vila, Arthur de Farias, Mariza Rotemberg, Adriana Marques e Simone Rasslan. Atualmente dedica-se ao trabalho de blues e jazz da banda Jazzueira.

*FUNDARTE - A Fundação Municipal de Artes de Montenegro estimula não só o ensino das artes como a formação de grupos artísticos, como o grupo de piano e o grupo de flauta doce. O grupo de piano é coordenado pela professora Gisele Andrea Flach e tem quatro integrantes: Ariane Paôla Flores, Dauana de Souza de Lima, Morgana Kremer e Nícolas Silva de Souza. O grupo de flauta doce é coordenado pela professora Fernanda Anders e tem três integrantes: Luciano Schrammel dos Santos, José Carlos Ferreira Gomes e João Vítor de Souza. Por ser uma formação tão específica, quatro pianistas tocando no mesmo piano acompanhando três flautistas, o repertório é arranjado e adaptado para esta formação pelas professoras.


Jazzueira

04/08 | 18h
Libertango! Uma releitura de Astor Piazzolla

Libertango | Foto: Cleo KozerskiSergio Olivè (piano), Julian Texeira (baixo elétrico), Jean Pierre Bianchi (bandoneon) e Vinícius Farina (violinista) reformulam a linguagem de liberdade estabelecida por Piazzolla interpretando Libertango, álbum consagrado cuja abordagem remonta a ideia de liberdade estabelecida pelo artista argentino. O grupo Libertango! surgiu em setembro de 2011 com uma formação de violão e dois violinos. Após várias apresentações e aceitação do público amante da obra de Piazzolla, Vinícius Farina, autor do projeto e violinista, configura o grupo em uma formação mais aproximada, com a qual o autor, Astor Piazzolla, usara no seu conjunto Eletrônico.

No repertório, Novitango, Violentango, Adios Nonino, Undertango, Meditango, Amelitango, Tristango, Libertango.




Libertango
   

21/07 | 18h
Moda, de Sandro Souza

Sandro Souza| Foto: Silvane DapperAcompanhado pelo percussionista Douglas Gutjahr, o compositor e instrumentista Sandro Souza apresenta quinze canções de sua autoria, estabelecendo uma aproximação entre a música regional brasileira e a música e linguagem contemporâneas. Sandro tem como temática neste projeto a releitura de modas, com base na sua pesquisa de duas décadas em Santo Antônio da Patrulha, onde participou intensamente das toadas de reis e oilarais.

SANDRO SOUZA – Compositor, violinista e arranjador. Integrante das Orquestras de Câmera da Unisinos e Sinfônica da UCS. Participou em vários festivais de música popular no RS, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília; festivais de folclore na Alemanha e na Áustria em 1996; festival da FIFA, Cioff e Internacional do Folclore na Coréia do Sul; durante a copa do mundo em 2002. Tem participação em cerca de quarenta discos/cds/dvds de festivais e de intérpretes. Como instrumentista já acompanhou artistas como Ian Anderson e Jethro Tull, Osvaldo Montenegro, Cleiton e Kledir, Yamandú Costa. Já acompanhou solistas como Max Uriarte, Fábio Presgrave, Brett Shuster (Usa), Susie Geordiadis, Quinteto Villa-Lobos, Alexandre Dossin, Ney Fialkow. Já tocou concertos sob a regência de maestros como Mark Cedel (Usa), Roberto Duarte e Emanuelle Baldini (Itália). De 1998 à 2003 integrou o grupo musical folclórico da Feevale. De 1998 a 2001 criou, juntamente com César Hack, o Duo Cordas. Diretor musical, compositor e responsável pela trilha sonora do espetáculo A Caravana da Alegria, peça musical infantil premiada em vários festivais de teatro no Brasil e que também participou de festivais em turnê pela Europa.

DOUGLAS GUTJAHR – Bacharel em Percussão pela Universidade Federal de Santa Maria, sob a orientação do prof. Dr. Gilmar Goulart. Durante o período de seu bacharelado integrou a Orquestra Sinfônica de Santa Maria, o Grupo de Percussão da Universidade Federal de Santa Maria e o Quarteto de Percussão Íncobus, responsável por divulgar o repertório escrito para esta formação. Em 2002, participou da gravação do CD da Banda Sinfônica do Colégio São Luiz, realizando uma série de apresentações pela Alemanha. Em 2003, foi criador e interprete da sonoplastia do espetáculo teatral Monólogo de Judas. Foi aprovado na seleção de músicos para as turnês 2007/2008 da Orquestra Mundial (JMWO). A primeira, realizada na Espanha entre os meses de junho e julho de 2007, com participação na montagem da ópera El gato con Botas e do espetáculo Los Ballets Del Siglo XX, com obras de Igor Stravinsky, Manuel de Falla e Alberto Ginastera. A segunda, realizada no mês de janeiro de 2008, com apresentações em algumas das principais salas de concerto da Espanha, Alemanha, e Holanda. Desenvolve junto com o grupo de música instrumental Sexta Brasileira um projeto de resgate e pesquisa de músicas escritas por grandes nomes da música brasileira. Desde 2004 integra o naipe de percussão da Orquestra Filarmônica da Pucrs, onde ocupa o cargo de Spalla de Naipe.


07/07 | 18h
Bês de Brasil com Bianca Obino e Bruno Conde

Bianca Obino| Foto: Felipe PittaBruno Conde| Foto: Arquivo PessoalO show Bês de Brasil da gaúcha Bianca Obino (voz e violão) e do paulista Bruno Conde (violão) é essencialmente acústico. Os artistas apresentam canções autorais em arranjos compartilhados. Bianca e Bruno possuem em comum a grande inspiração gerada pela música brasileira, traço marcante nas canções apresentadas pelo duo. Bês de Brasil possui canções do CD Prisma, de Bruno Conde, outras de Bianca Obino e algumas canções inéditas, em parceria, revelando estes “Bês” tão ricos e singulares de nosso país.

BIANCA OBINO – Natural de Porto Alegre (RS). Cantora, compositora, violonista e professora de canto. Vem ganhando destaque na cena cultural local desde 2010 com o projeto Bianca Obino Convida. o qual consiste em uma série de espetáculos periódicos que une, a cada edição, um show musical seu no formato violão e voz a uma performance de outro artista convidado (músicos, poetas, dançarinos, atores, cineastas e artistas plásticos).Em março de 2012, Bianca foi agraciada com a Comenda Lobo da Costa, oferecida pela Sociedade Partenon de Literatura aos eventos culturais de relevância no estado do RS no ano de 2011. A artista é bacharel em Canto Lírico pela UFRGS, realizou diversos cursos, workshops e masterclasses de aperfeiçoamento nas áreas de canto lírico, canto popular, técnica vocal e fisiologia do canto com reconhecidos professores e fonoaudiólogos. O processo de compor canções iniciado aos 15 anos estende-se até hoje, e sempre foi paralelo a sua atividade de cantora-intérprete nos ramos popular e erudito. Participou de quatro edições do Festival de Música de Porto Alegre (1999, 2000, 2001 e 2008) como intérprete e com canções de sua autoria.

BRUNO CONDE – Violonista e compositor santista. Profissional desde 2003, já se apresentou nos SESC's, em projetos pela Prefeitura Municipal de Santos. Conde também é professor de música (violão, guitarra, teoria). Como compositor, tem dois discos gravados: Luz ou Poesia, gravado de forma independente com Nando Moraes (Porto Alegre - RS), em 2008; e Prisma, lançado em 2011, onde apresenta onze canções de sua autoria e com parceiros. O trabalho tem como destaque a participação do já consagrado intérprete Renato Braz, conta com a voz de Celso Lago e da jovem cantora Larissa Finocchiaro e produção e participação do pianista Theo Cancello.

Fotos: Igor Sperotto



JUNHO/2012


23/06 | 18h
Milonga em blue

Oly Jr, Jacques Jardim e Jaques Trajano | Foto: Danilo ChristidisOly Jr.(voz, violão, guitarra e harmônica), Jacques Jardim (baixo) e Jaques Trajano (cajon e bombo leguero) apresentam uma mistura da milonga pampeana com o blues americano, com canções que abrangem os dois gêneros musicais e sua fusão. No repertório músicas de autoria de Oly Jr., Bebeto Alves e Vitor Ramil, fazendo referência aos dois discos que permeiam esse conceito musical. O “Milonga Blues” (2009) e o “Milonga em Blue (Notas do Delta)” (2012): ¿Qué se pasa?, Deixando o pago, Milonga blues, Descansando a alma, Chimarrão, Delta do Jacuí, Mandando lenha, Tum tum Tum, Enquanto, Semeadura, Chama crioula, Eu sou da capital, Adeus companheiro e Devaneando em Porto Alegre.

OLY JR. – Começou sua carreira musical em 1998 tocando blues. Depois passou a incorporar elementos do rock, do folk americano/gaúcho e da milonga pampeana, fazendo desses elementos musicais referencias diretas no seu trabalho autoral. Tem nove discos lançados – oito de forma independente e participação no álbum duplo ao vivo Os Blackbagual, que compõe a caixa Bebeto Alves em 3D. É guitarrista da banda Os Irish Boys, que acompanha o músico/compositor Julio Reny. Recebeu três troféus do Prêmio Açorianos de Música 2009/2010, Melhor Disco, Melhor Compositor e Melhor Intérprete na categoria Blues/Jazz.

JACQUES JARDIM – Violonista, baixista e compositor. Em 2007 começou a acompanhar o músico Oly Jr., tocando contrabaixo, onde permanece trabalhando até hoje, como integrante da banda Os Tocaios.

JAQUES TRAJANO – Baterista e percussionista. Começou a carreira profissional em 1999 com a banda Walking Blues. Abriu shows de nomes importantes do blues, como Greg Wilson, guitarrista da banda Blues Etílicos, Alex Rossi, conceituado harmonicista, e Phil Guy, blueseiro norte-americano. Em 2007, começou a trabalhar com o músico/compositor Oly Jr., como integrante da banda Os Tocaios.


Milonga em Blue
 



02/06 | 18h
Conversas com o Compositor

DEISI COCCARO | Foto: Igor SperottoA soprano Deisi Coccaro, Fernanda Krüger (violão), Fernando Fleck (violão) e Rodrigo Carraro (flauta transversal) apresentarão obras eruditas dos compositores gaúchos Fernando Mattos e Daniel Wolff, compostas ou arranjadas para violão, voz e flauta transversal, tradicionalmente uma formação para música popular. Os compositores participarão do show conversando com o público sobre suas obras e o processo de composição.

REPERTÓRIO
Composições de Daniel Wolff: Estudo 1 (original para Clarineta solo, 2001) – por Rodrigo Carraro; Açucarado/Baião de Choro (2011), por Fernanda Krüger e Fernando Fleck; Canção ainda sem palavras (2011), por Rodrigo Carraro e Fernando Fleck; Sonetos da Amada Imoral (2011) - Versos de Manuel Maria Du Bocage - 1. Apatetado - 2. Ansiosa Donzela - 3. Gomorra, por Deisi Coccaro e Fernanda Krüger. Composições de Fernando Mattos: Hush! Hush! Sweet Charlotte (1989) - Hexatônicas (2007), por Rodrigo Carraro e Fernando Fleck; Canções interrogativas – (Ciclo de Canções, 2005) – Poesias de Florbela Espanca - 1. ? - 2. Quem? - 3. Amar!, por Deisi Coccaro e Fernanda Krüger.

DEISI COCCARO – Bacharel em música pela Ufrgs em 2005, participou de vários cursos com renomados professores, como Steve Smith (EUA), Cláudio Arais Dias (Alemanha), Laura de Souza (Brasil/Alemanha), Sandro Christopher (Brasil/EUA), Annette Küttenbaum (Alemanha), Liliana Polli (Itália), Johan Eller (EUA) e Marconi Araújo (Brasil). Em 2006 foi selecionada como bolsista do Ministério de Relações Exteriores da Itália para um curso de especialização em Canto Lírico e estudou com a soprano italiana Patrizia Morandini. Ainda na Itália participou da Masterclass Internacional Florence Opera.

FERNANDA KRÜGER – Bacharel em violão pela Ufrgs e técnica em instrumento musical pela Escola Sinodal de Educação Profissional, de São Leopoldo. Participou de masterclasses com violonistas como E. Castañera, F. Zanon e E. Meirinhos. Na música popular, desenvolve um trabalho com Lucas Krüger e Luthiero Tacuatiá onde tocam canções autorais – o Fernanda Krüger Trio. É professora de violão do Projeto Prelúdio e do Curso Técnico em Instrumento Musical, ambos do Instituto Federal do Rio Grande do Sul (campus Porto Alegre).

FERNANDO FLECK – Bacharel em música pela Ufrgs (2009). Integra desde 2010 o grupo de música Contemporânea Ensemblefantes. É professor da Escola de Música Estação Musical.

RODRIGO CARRARO – Bacharel em Música pela Ufrgs, ênfase em flauta transversal. Começou a atuar profissionalmente em 1987 na Orquestra Popular de Porto Alegre. Desde então atua intensamente, participando de recitais, concertos de orquestras e shows de música popular. Desde 1986 leciona em várias escolas de música do Estado.


Obs. Por motivos particulares, a soprano Deisi Coccaro no participou do show. A abertura foi de Rafael Irazedra, estudante de msica da Ufrgs.


Conversas com o Compositor


MAIO/2012

19/05 | 18h
TREM com Filipe Narcizo, Lucas Kinoshita e Andrei Corrêa

Foto: Ane FrankA banda Trem Imperial propõe no show TREM arranjos mais enxutos para o seu mais recente repertório autoral: Ser Feliz, Reviver, Deixa o Sol Despertar, A Visão, O Outro Lado da Moeda, Desespero, Abra os Seus Olhos, Homem das Cavernas (Andrei Corrêa), Simples Cidade (Andrei Corrêa e Leonardo Frodo), Velho Navio (Andrei Corrêa e Filipe Narcizo) e Circo Ilusão (Andrei Corrêa e Marcos Fagundes).

TREM IMPERIAL – Surgiu em 2009, formada por Filipe Narcizo, Lucas Kinoshita e Andrei Corrêa, jovens músicos que se encontraram no curso de licenciatura em música. Em 2011, a banda se concentra no projeto autoral e produz o EP Ser Feliz com três temas gravados em Porto Alegre e mixado e masterizado em Londres.

FILIPE NARCIZO – Baixista com graduação em licenciatura em música pelo IPA, está em constantes turnês com músicos de expressão do Estado do RS como Giba Giba, Orestes Dorneles, Catuípe, Domingos Cray e Yanto Laitano, entre outros.

LUCAS KINOSHITA – Baterista formado em música pelo Instituto Metodista IPA, atua nos trabalhos de Giba-Giba, Richard Serraria, Orestes Dornelles, Bataclã FC e no espetáculo Yakupampa. Como coprodutor, realizou o CD Pampa Esquema Novo, de Richard Serraria. Também trabalha com a banda instrumental Camerata Brasileira, com a banda Sonora Luz e com o grupo Cavaleiros de Jorge. Foi diretor de percussões do documentário O Grande Tambor. 

ANDREI CORRÊA – Guitarrista, vocalista e compositor, cursa o último semestre do curso de música do IPA e já participou das bandas de reggae Acústico Lion, Chapa, Solarise e do trabalho solo de Rafa Machado (vocalista da banda Chimarruts).

Show O Trem

05/05 | 18h
Dani Rauen apresenta Qualquer Lá

Foto: Giovani Paim ABERTURA: Fernando vila e William Menegaz (acordeon), alunos da Fundarte.

Acompanhada por Toneco da Costa (violão), a artista apresenta canções de seu CD Qualquer Lá, lançado no final do ano passado, e que traz músicas de bandas como Laranja Freak, Frida, Acústicos e Valvulados, Véspera, Suco Eléctrico, além de outros compositores como Zé Caradípia, Murilo Biff e Rodrigo Bittencourt. O repertório conta ainda com “Confissões de Amor” – música de domínio público – composta por Sinhô (José Barbosa da Silva), um dos grandes nomes do samba da década de 20. Apresenta ainda “Quando eu Feri”, de Nelson Coelho de Castro que, no disco, fez uma participação especial. “Qualquer Lá” é uma das faixas autorais. Nascida durante as gravações – com letra de Dani Rauen e música de Toneco da Costa.

DANI RAUEN – Cantora e compositora. Vocalista da banda Suco Eléctrico. O primeiro disco oficial foi lançado em 2008 e conta com a produção de Marcelo Fruet. O segundo está em fase de gravação e deverá ser lançado em 2013. Após dez anos de Suco Eléctrico, Dani Rauen desengavetou um antigo projeto: fazer um disco de interpretações. “Qualquer Lá” foi lançado em outubro de 2011 no Teatro Renascença, em Porto Alegre. O disco e o show contam com arranjos, produção e direção musical de Toneco da Costa.

TONECO DA COSTA – Músico, arranjador, compositor, violonista, produtor musical e professor. Ganhou vários prêmios, dentre eles, o Açorianos de Música em 1994, 1995, 1999 e 2009 e a indicação como concorrente para os anos de 1998 e 2004, todos na categoria de melhor arranjador. Estudou piano no Conservatório de Música de Pelotas e ainda Composição e Regência na UFRGS (1975).





ABERTURA: Fernando Ávila e William Menegaz (acordeon), alunos da Fundarte.
Show Dani Rauen



ABRIL/2012

28/04 | 18h
Richard Serraria e Lucas Kinoshita
no show Pampa Esquema Novo


Foto: Ane FrankA dupla Richard Serraria e Lucas Kinoshita apresenta um repertrio autoral de Richard Serraria, propondo a fuso de MPB com MPP (Msica Popular do Pampa), canes da banda Batacl FC e da trilha do documentrio "O Grande Tambor", longa metragem centrado no tambor de sopapo, cone da cultura afro no Rio Grande do Sul. Dentre elas, Vira lata de rua, Avisa que o amor vai chegar, Pampa Esquema Novo, Menino Pandeiro, O jangadeiro no sabe nadar, Azul meu Orix, Milonga de todos os lugares, Doce amor se fez Samba Puro, A flor de perto, Cabelo Pixaim, Bem de Cantinho e Pssaro Azul.
O disco Pampa Esquema Novo foi lanado em novembro de 2011 com o apoio da Secretaria de Cultura de Porto Alegre atravs do Fumproarte e recebeu cinco indicaes ao Aorianos 2011 de Msica. Ele pode ser escutado e baixado no blog do compositor:
http://www.richardserraria.blogspot.com

RICHARD SERRARIA – Msico, compositor, poeta, ex-professor universitrio e agitador cultural com atuao na cena porto alegrense h mais de 15 anos. Como compositor ganhou o Prmio Aorianos quatro vezes, por seu trabalho atrelado Batacl FC. Em 2005 e 2006 ganhou o prmio de Melhor Letrista do VIII Festival de Msica de Porto Alegre, tambm junto com a Batacl FC. Recebeu o prmio de Melhor Arranjo no Festival de Msica de Porto Alegre em 1999. Est envolvido com o lanamento do 5 disco, Pampa Esquema Novo, com participaes de Zeca Baleiro, Daniel Drexler, Pablo Grinjot, Pirisca Grecco, Vanessa Longoni, etc.

LUCAS KINOSHITA – Formado em licenciatura em música pelo Instituto Metodista do Sul - IPA, é baterista, percussionista, tocador de sopapo e backing vocal. Foi diretor de trilha sonora e diretor de percussões do documentário O Grande Tambor (sobre o Sopapo). Integra o trabalho solo de Orestes Dornelles, Richard Serraria e Giba-Giba. Também integra as bandas Bataclã FC, Camerata Brasileira, Dissonasso, do trio Trem Imperial e do espetáculo Yakupampa.


14/04 | 18h
Loma, morena maambiqueira
Acompanhada por Javier Mendez (violo e teclado) e Catupe (violo)

Foto: Rosane Scherer
A artista apresenta músicas do cancioneiro litorâneo falando do amor à natureza, da história do litoral e sua gente; da vida e lida do pescador, de religiosidade e sabenças; das cantigas de mar e outras canções, aos ritmos cadentes do maçambique e do quicumbí. No repertório, canções de Carlos Catuípe e Ivo Ladislau, precursores do movimento de resgate da cultura do litoral. A perseverança desses compositores resultou na adesão preservacionista de outros artistas da região e na sua propagação, por meio de festivais de música em vários estados, espetáculos temáticos, shows, entre outros. REPERTÓRIO – Pout pourri de maambiques, Mar de Saudade (Cssio Ricardo/Renato Junior e Paulinho Di Casa), Tocando em Frente (Almir Sater), Cantigas de Mar, Sabenas, Ventre Livre, Aporte (Carlos Catupe e Ivo Ladislau), No Chores Mais (Gilberto Gil), Andana (Danilo Caymmy/Edmundo Souto/Paulinho Tapajs), Um Canto a Terra (Carlos Catupe e Claudio Martins), O Meu Lugar (Ren Duque/Loma Pereira e Cao Guimares), Arrasto (Edu Lobo/Guarnieri), Me Dgua (Kiko Moraes), Maria Maria (Milton e Brandt).

LOMA – Cantora e compositora. Comeou a cantar profissionalmente em 1973, como vocalista do grupo Pentagrama. Em 1985 lanou seu primeiro LP Loma, com arranjos assinados por Geraldo Flach, produzido em parceria com Cao Guimares, com composies de autoria de Bebeto Alves, Cao Guimares, Z Caradpia, Cao Trein, Luiz Coronel, Fernando Gama (Boca Livre) e Geraldo Flach. Ao fim de 1989 foi eleita pela crtica, a melhor cantora de dcada. Em 92, lanou seu segundo LP Um Mate por Ti, pela Gravadora RGE, e foi indicada ao prmio Sharp de Msica, na Categoria Cantora Regional. Em 99, o terceiro CD Alm Fronteiras recebeu o Prmio Aorianos de melhor CD de MPB, e Loma, o trofu de Melhor Intrprete do RS. Desde 2002, Loma a cantora do Grupo Cantadores do Litoral, que vem divulgando o legado afro-aoriano no RS. Seus 30 anos de carreira esto impressos no CD Loma Ziguezagueando, gravado em 2005.

JAVIER MÉNDEZ – Natural de Pelotas. Estudou teoria musical, piano e violão no Conservatório de Música de Pelotas. Na adolescência, começaram as primeiras bandas, da garagem para os bares e palcos, no interior e na capital. Participou de shows e gravações com vários artistas locais e nacionais. Na década de 90, morou por quatro anos no Rio de Janeiro, acompanhando, entre outros, o conterrâneo Kleiton Ramil. De volta a Porto Alegre, desde 1998, continua dedicando-se à música e à medicina, apresentando-se, mais recentemente, com a Banda R-40 (cover), e acompanhando artistas que levam a música do sul e a MPB como bandeira a todos que apreciam esta arte.

CARLOS CATUPE – Arranjador, violonista, compositor e cantor. Estudou violão clássico no Liceu Musical Palestrina e cursou arranjo e orquestração com o maestro Aloísio Pontes em São Paulo, onde trabalhou por 12 anos. Lá tocou com Ângela Maria, Osvaldinho do Acordeom, Dominguinhos, Luiz Gonzaga, Peri Ribeiro, entre outros renomados músicos da MPB. Tem dois CDs gravados - Coração de Tambor e Comunidades – 250 anos de povoamento Açoriano no RS, além de mais de 400 gravações entre long-plays, CDs de intérpretes gaúchos e nacionais como Pery Ribeiro, Osvaldinho entre outros.






24/03 | 18h
Karine da Cunha apresenta O amor... por Neruda e Buarque

Foto: DocPhotosNo repertório canções inesquecíveis de Chico Buarque e parceiros como O meu amor, Beatriz, Eu te amo, Todo o sentimento, entre outras, junto a alguns poemas de Pablo Neruda cantados em espanhol e falados em português. As canções em espanhol trazem para o show a passionalidade e calor desse idioma levando para o palco a presença de uma das vozes mais altas da poesia mundial do nosso tempo – Pablo Neruda que segue emocionando gerações com seu legado literário. Participação de Marcus Bonilla (violão).

KARINE DA CUNHA –Cantora e compositora. Desde 2003 optou pela carreira autoral apresentando shows de MPB, participando de festivais e registrando suas canções em Cds. Fluida, seu primeiro espetáculo autoral dedicado às águas, resultou em CD homônimo lançado em 2005. Com este trabalho, Karine conquistou o Prêmio Açorianos de Música de Melhor Intérprete de MPB. De 2005 a 2006, Karine seguiu apresentando o espetáculo Fluida em projetos culturais de Porto Alegre e do Brasil como Sesc/SP, centros culturais do BNB no Ceará, entre outros. Após a montagem de Fluida, Karine fez parceria com outros músicos como Bethy Krieger, Marcus Bonilla, Alexandre Vieira, Mario Falcão, Mario Pirata, entre outros, montando espetáculos temáticos como Yá-lé, Quando a poesia canta, Cantando Elas, Poema de Ouvido. Em 2007 lançou seu segundo CD Epahei, dedicado aos orixás e a cultura afro. O show homônimo foi apresentado em projetos culturais de Porto Alegre, interior do Estado, Bahia, Paraíba, Ceará, Maranhão e Pará, entre outros. De 2009 a 2011 morou em Chapecó SC onde seguiu apresentando espetáculos e atuando como educadora musical através de espaços e projetos da Prefeitura Municipal de Chapecó. Em 2012 Karine segue com agenda de shows pelo Sesc/RS e SC e outras instituições.




10/03 | 18h
Quinteto Persch

Foto: DocPhotosAdriano Persch, André Machado, Daniel Castilhos, Fernando Ávila e Luciano Rhoden apresentam um repertório especial: Aram Khatchaturian (1903-1978) - Walzer – aus “Maskerade”; Ferenc Farcas (1905-2000) Antigas Danças Húngaras (Entrada, Danças das Lâminas, Ugrós (Saltarelo); Antonio Vivaldi (1678-1741) - Concerto Nº. 4 Fá Menor “Inverno” (Allegro non molto, Largo e Allegro); Astor Piazzolla (1921-1992) - Buenos Aires Hora Cero e La Muerte de Angel; Carlos Gomes (1836-1896) - Sonata para Cordas e O Burrico de Pau; Ivano Battiston (1959-) - Perpetuum Polka.

QUINTETO PERSCH – Iniciou suas atividades em 1999, em Porto Alegre, tendo como objetivo, difundir o acordeon por meio da música de câmara, demonstrando sua versatilidade e oportunizando a exploração do instrumento com repertório erudito. Completa em 2012, 13 anos de atividades ininterruptas. É o único grupo no país com essa formação instrumental de música de câmara e proposta artística utilizando o acordeon. Em 2007, foi contemplado com o Projeto Petrobrás Cultural, para gravação do seu primeiro CD, que reuniu obras de Astor Piazzolla, Claudio Santoro, Antonio Vivaldi, Gioacchino Rossini e Wolfgang Amadeus Mozart. Em 2009, foi contemplado com o Prêmio Açorianos de Música, na categoria instrumental. Venceu o Prêmio Circuito Funarte de Música Clássica 2010, para a realização de turnê na região nordeste do Brasil. Também em 2010, foi selecionado para apresentar-se na 3ª Feira Música Brasil, em Belo Horizonte – MG. Em 2011, o Quinteto Persch foi selecionando nos editais de ocupação dos teatros da Caixa Econômica Federal – Caixa Cultural Brasília e do BNDES, agendado para 03 de maio de 2012. Está previsto para março de 2012 o lançamento do segundo CD.


Este show foi realizado no auditório do Sinpro/RS, ao lado da sede da Ecarta.

Fotos: Igor Sperotto
 
   



21/01 | 18h
Urbi et Orbi de Orestes Dornelles

Foto: Fbio MariotTrabalho autoral que utiliza as linguagens musicais atuais, mesclando a música urbana com a rural e a canção popular com a folclórica a partir de reflexões sobre o universo cotidiano da província, onde a província é o universo. Com a participação dos músicos Lucas Kinoshita (percussão e vocais) e Filipe Narcizo (contrabaixo e vocais), este show mostra novas músicas e parte do repertório de seu último CD Graffiti (2008) – onde as canções são tratadas como se fossem crônicas, recheadas de humor e ironia, inspiradas em fatos do cotidiano porto-alegrense e do panorama nacional. No repertório, Bem Zen (Risomá Cordeiro / Orestes Dornelles); Nó de Pinho, Arisco, Não Duvide, Da Noite, Todos os Homens têm Coração, Por Amor, Garota Ban Ban Ban e Quando La Negra Canta (Orestes Dornelles); Efêmera (Mário Falcão / Orestes Dornelles); Ish (Risomá Cordeiro / Orestes Dornelles); Baimaracô (Ita Arnold / Orestes Dornelles).

ORESTES DORNELLES – Cantor, compositor e professor de música. Estudou harmonia funcional e violão popular com Voltaire Pires, violão clássico com Nestor Ausqui e composição (UFRGS) com Celso Loureiro Chaves. Desde 1994 trabalha com educação musical na pré-escola e em escolas de música de Porto Alegre, como professor de violão, musicalização, composição e arranjo. Em 2005, junto com Binho Terra e Risomá Cordeiro, produziu o CD Tribufu. Em 2008 gravou o CD Graffiti e produziu o show de lançamento do mesmo, em 16 de dezembro no Teatro Renascença, em Porto Alegre. Em 2009 e 2010 fez shows, com os músicos Lucas Kinoshita (bateria), Filipe Narcizo (contrabaixo) e Marcelo Rocha (percussão), divulgando seu trabalho como compositor e cantor.

LUCAS KINOSHITA ou Kino – Iniciou seus estudos de piano em 1994 com a professora Cláudia Leal na Escola Piá Piano. Em 1999 deixou o piano para estudar bateria, iniciando seus estudos com Daniel Lima. Em 2002, retomou estudos de piano tendo aulas particulares com a professora Nisiani Franklin. Na mesma época, estudou bateria com André Azevedo e a partir de 2006 com Luke Faro. Diplomado em licenciatura em música pela Rede Metodista do Sul – IPA. Faz parte do trabalho solo de Orestes Dornelles, Richard Serraria e Giba-Giba, e atua nas bandas Bataclã FC, Camerata Brasileira e Yakupampa.

FILIPE NARCIZO – Músico, contrabaixista autodidata. Em 2001 inicia os estudos de contrabaixo. Em 2003, começa a tocar com a banda Leão de Judah e também com o compositor e percussionista Giba-Giba. Em 2004, passa a integrar a banda de MPB Fato Consumado. Em 2005 entra para a Yellow Dog, banda de rock com enfoque no repertório de rock dos anos 60 e 70. Em 2007 começa a tocar com Domingos Cray e Banda e o Banzo Esperança. Em 2008, participa da gravação do CD Graffiti de Orestes Dornelles. Participa do trabalho de vários músicos gaúchos como Yanto Laitano, Karen e Frederico, banda Bataclã FC, além de Orestes Dornelles.


Fotos: Igor Sperotto
     





07/01 | 19h


A cantora, compositora e violonista Bianca Obino discorre sobre suas experimentações e aprendizados, com exemplos ilustrativos sobre o uso combinado do “violão e a voz” no arranjo de canções autorais e de outros autores, incluindo interpretações neste formato.

Inscrição: R$ 10,00.

Faça sua inscrição diretamente na sede da Ecarta (Avenida João Pessoa, 943) – Porto Alegre.











07/01 | 18h
Nico Bueno e Loni Seiva apresentam O lado B da MPB

Foto: Nico BuenoO repertório será de clássicos da MPB, como João Bosco, João Donato, Tom Jobim, Caetano Veloso. Loni Seiva (Violão e voz) e Nico Bueno (contrabaixo) montaram o show explorarando a sonoridade criada a partir da junção violão e contrabaixo. Serão apresentadas músicas de vários compositores consagrados da música popular brasileira, como Paulinho da Viola (Nova Ilusão e Dança da Solidão), João Bosco (Corsário, Quando o Amor Acontece), Ivan Lins (Velas Içadas, Somos Todos Iguais essa Noite), Chico Buarque (Choro Bandido) e compositores mais jovens e não menos talentosos como Lenine (Hoje eu Quero Sair Só) e Vitor Ramil

NICO BUENO – Baixista, com mais de 20 anos de carreira, iniciados já com grandes parcerias, participou de gravações de discos e de DVDs, com músicos de variados estilos, é conhecido como um músico versátil, que tanto pode participar da Orquestra Popular de Porto Alegre, regida pelo maestro Paulo Dorfmann, como pode gravar e rodar o Brasil por anos com o grupo Nenhum de Nós... Alguns músicos os quais já tocou: Luis Carlos Borges, Renato Borgheti, Nei Lisboa, Nenhum de Nós, Marcelo Delacroix, Kiko Freitas, Rafael Vernet, Jorginho do Trompete, Jean Garfunkel, Julio "Chumbinho" Herlen, Solon Fishbone, Natu Blues band Projeto Brasil, Marisa Rotemberg, Marcelo Corsseti, Luciano Maia, Paulinho Fagundes, Fernando Corona, entre inúmeros outros artistas e discos!! Nico Bueno, é integrante do grupo de Bossa e Jazz, Delicatessen, com três discos gravados e lançados no mundo inteiro, indicados pela segunda vez ao Premio de Música Brasileira, concorrendo com nomes como Sergio Mendes, e Eliane Elias, receberam o prêmio de melhor disco brasileiro em lingua extrangeira!! Também foi escolhido como melhor instrumentista do 12º Festival de Música de Porto Alegre. Nico Bueno é também professor de música em Porto Alegre.

LONI SEIVA – É cantor, compositor e violonista. Gaúcho criado em São Paulo, começou sua carreira musical na capital paulista, teve musicas premiadas em festivais, viveu por mais de uma década em Portugal, onde teve o prazer de participar de gravações e espetáculos com os mais diferentes músicos, portugueses, africano, espanhóis, entre outros. Atualmente prepara seu primeiro trabalho a ser gravado no Brasil!


Fotos: Igor Sperotto





Confira como foram as programações anteriores:

Fundação Cultural e Assistencial ECARTA
Av. João Pessoa, 943 - Porto Alegre - RS - Brasil - Fone: 51-4009.2970
© Copyright 2005 - 2011 Todos os direitos reservados (All Rights Reserved)